Uma dose de simplicidade

quarta-feira, agosto 08, 2012

Calma, calmaria. Estou aprendendo, estou lidando, perdi o desapego há algum tempo, mas ele está chegando mais uma vez, assim, devagarinho. A impaciência me corrói, mas estou sabendo estapeá-la sem deixar aquelas tais mágoas - talvez -, estou sem receio agora; tô te lidando tanto que já te faço minha doce e louca companheira. Te faço de mágico, te faço de tudo. E ali corre a menina que se perdeu na névoa escura do tempo, quem ouviu sussurros de personificações que traziam tempos ruins, vivencias difíceis e medidas machucadas. Há cicatrizes, mas quase que não as vejo mais, tô curada, tô de bem. Até já me permito expressar na escrita do modo como falo quando me distraio - tô, tá, não sei, sei lá, diz aqui -, e dos estorvos fantasmas que me puxavam para baixo já começo a ter lembranças. Só lembranças. Algumas boas até, pois eu, às vezes, revoltada com o véu escuro em meus olhos e a poeira do coração, fazia birra e cantarolava melodias para provocar, soltando vez ou outra, uma palavra mal educada. Os estorvos fantasmagóricos algumas vezes batem na porta e pedem para entrar, o frio corrói a energia que os forma, e cedendo ao meu bobo coração, convido-os para entrar, com a condição de que me observem festejar com sorrisos a beleza que são os verbos amar, ser... viver.  

You Might Also Like

0 Comentários

Obrigada pela visita! ♥

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images

Subscribe